quinta-feira, 31 de agosto de 2017

Reviravolta no Caso Betinho: laudo da PF pode inocentar adolescente

Por TV Jornal
Reprodução/TV Jornal
Um laudo divulgado pelo Instituto Nacional de Identificação, em Brasília, em conjunto com peritos da Polícia Federal (PF), não encontrou as digitais do adolescente suspeito de matar o coordenador pedagógico José Bernardino da Silva Filho, conhecido como Betinho, em 2015. O documento diz que as impressões digitais encontradas no apartamento onde o crime aconteceu não são do adolescente, à época com 17 anos.
“O que a defesa alegava desde o início veio a ser comprovado tecnicamente em Brasília”, afirmou Roselaine Souza, advogada do menor. Durante as investigações, a Polícia Civil apontou como suspeitos, além do menor, Ademário Gomes da Silva Dantas, de 21 anos. Em maio deste ano, uma perícia, solicitada pela defesa de Ademário, contestava a versão da Polícia, afirmando que as impressões dele não foram encontradas na cena do crime.
José Bernardino da Silva Filho foi morto no apartamento onde morava, na Boa Vista, Centro do Recife, no dia 16 de maio de 2015. Ele foi encontrado com os pés e pescoço amarrados com fios de eletrodomésticos. Segundo a perícia, na época, a vítima morreu devido a golpes de ferro de passar na cabeça.
Poucos dias depois, a Polícia Civil divulgou que não restavam dúvidas sobre o envolvimentos de dois ex-alunos do professor. Ademário Gomes da Silva Dantas e o adolescente foram apontados como responsáveis pela morte do coordenador pedagógico, e ambos negam o crime.

PORTAL BOM JARDIM
PORTAL BOM JARDIM

Nenhum comentário:

Postar um comentário