sexta-feira, 14 de julho de 2017

Lula nega crimes e diz que será pré-candidato para 2018 em pronunciamento após condenação

Ex-presidente Lula durante pronunciamento em São Paulo
Ex-presidente Lula durante pronunciamento em São PauloFoto: Miguel Schincariol/AFP
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva realizou uma coletiva, na manhã desta quinta-feira, na sede nacional do PT, no Centro de São Paulo, para falar sobre sentença do juiz Sergio Moro de 9 anos e meio de prisão contra ele. Momento é transmitido na conta do petista no Facebook. O ex-presidente iniciou sua fala por volta das 12h.
No pronunciamento, o pernambucano disse que "está no jogo" e que ainda sairá pré candidato a Presidência da República. "Eles querem me tirar o direito de postulante a uma candidatura. Vocês vão ter um pré candidato com um problema jurídico, mas vou brigar a boa briga democrática nas ruas. Eles não sabem o que fazer. Senhores da Casa Grande, permitam que alguém da senzala faça o que vocês não têm competência pra fazer", disse o ex-presidente. 
Ele enfatizou que a sua condenação já estava pronta antes mesmo dos depoimentos serem colhidos e disse que a Justiça não pode tomar decisão baseada em política e sim nos autos.
Antes da fala de Lula, a senadora e presidente do partido Gleisi Hoffmann fala sobre a condenação e agradece os apoiadores. Estavam na mesa, além da senadora, o escritor Raduan Nassar; Vagner Freitas, presidente da CUT, e o advogado de defesa, Cristiano Zanin.
Condenação

O juiz Sergio Moro, responsável pelo processo em primeira instância, sentenciou o presidente por corrupção e lavagem de dinheiro no caso do tríplex de Guarujá (SP). Na ação, Lula é acusado de receber propina da empreiteira OAS em decorrência de contratos da empresa com a Petrobras. O valor, apontou a acusação, se referia à cessão pela OAS do apartamento ao ex-presidente e a reformas feitas pela construtora nesse imóvel.

Leia trecho do pronunciamento:

O Moro tem para comigo um otimismo que nem eu tenho. 19 anos sem poder assumir um cargo, significa que vou viver e vão ter que me suportar. Me desculpem por não dar coletiva ontem. Eu precisava ver o Corinthians derrotar o Palmeiras. Primeiramente gostaria de agradecer aos advogados que estão me ajudando na defesa do processo. A sentença é uma peça de estudo profundo de como não se deve fazer um parecer condenatório.
O Estado Democrático de Direito está sendo jogado quase na lata do lixo. Quero agradecer a imprensa também, sobretudo o Jornal Nacional, sempre tão solidário comigo (rs). A gente já previa isso desde outubro de 2016, quando escrevi o artigo Porque querem me condenar, na Folha (de São Paulo).
Desde que o processo começou, o Moro sempre afirmou à imprensa que precisava muito da cobertura da mídia. A coisa que eu mais lia eram as pessoas dizendo que tal pessoa foi presa e no interrogatório a primeira pergunta pedia o nome do Lula. Eles já estavam com a concepção da condenação pronta. Sempre tive a certeza de que se o Lula pudesse ser candidato o golpe não fechava.
O juiz Moro passou 60 páginas para se justificar sobre a condenação. Só cinco parágrafos analisando a defesa. Os tucanos não aguentaram uma capa da Veja. Caíram todos. Eu tenho dezenas e aí entra a tentativa de me tirar do jogo político. Quando falo do MP, não falo da instituição. Porque acredito muito na instituição, inclusive a fortaleci. Falo dessa Força Tarefa. A teoria do domínio do fato, utilizada de uma forma moderna baseada na palavra contexto. Moro prestará conta para a História. Ela vai dizer quem estava certo e quem estava errado. A Justiça não pode tomar decisão baseada em política e sim nos autos.
Se alguém tiver uma prova contra mim mande para a Justiça. O que me deixa indignado, mas sem perder a ternura, é ser vítima de mentira. Inclusive vou ter que pagar agora um tríplex que nem é meu. Não sei como alguém consegue escrever 300 páginas para não dizer absolutamente nada sobre as provas que deveria mostrar.
Minha indignação não me faz perder a crença de que nesse país ainda existe Justiça. Por isso vamos recorrer. Inclusive vamos acionar o CNJ sobre essa sentença. Eu queria desafiar que meus inimigos, sobretudo os donos da Mídia, apresentassem uma única prova. Utilizaram delação de um cidadão que mudou de opinião de um dia pra outro. Me sinto aliviado porque conheço o tamanho da mentira.
Podem saber que eu tô no jogo. Eles querem me tirar o direito de postulante a uma candidatura. Eu queria hoje era estar discutindo a situação política e econômica do Brasil. Discutindo o golpe dentro do golpe. A gente quer votar legalmente. Queremos que o Temer saia com uma PEC pela eleição. Vocês vão ter um pré candidato com um problema jurídico, mas vou brigar a boa briga democrática nas ruas. Eles não sabem o que fazer.
Senhores da Casa Grande, permitam que alguém da senzala faça o que vocês não tem competência pra fazer. Não tenho dúvida que quando os filhos forem adultos vão cobrar dos pais porque contaram essas mentiras. E não vou esquecer o que fizeram com a Dona Marisa. Tô tomando vitamina todo dia de manhã, me esperem. Quem tem direito de decretar meu fim é só o povo brasileiro.

FOLHA PE
PORTAL BOM JARDIM
PORTAL BOM JARDIM

Nenhum comentário:

Postar um comentário