terça-feira, 6 de junho de 2017

Veja a situação das barragens prometidas para conter enchentes em PE

Por TV Jornal
Os estragos provocados pelas enchentes que destruíram cidades da Zona da Mata Sul e Agreste de Pernambuco no final do mês de maio poderiam ter sido minimizados se obras prometidas pelo Governo estivessem concluídas. Depois das enchentes de 2010, quando 12 pessoas morreram e 57 mil ficaram sem casas, foi prometido a construção de cinco barragens para evitar inundações, mas 7 anos depois, apenas uma ficou pronta. As outras quatro não chegaram nem na metade da construção e estão com as obras paradas.
A situação mais crítica é a barragem de Igarapeba, localizada em São Benedito do Sul, projetada para conter as águas do rios Pirangi e Una. Com capacidade de armazenar 68 milhões de metros cúbicos, a barragem também seria usada para o abastecimento de municípios como Maraial, Jaqueira, Palmares, Água Preta, Barreiros e Catende.
A construção foi orçada em R$ 99.274.541,43. Mas, pouca coisa foi feita. O local tem apenas algumas estruturas de concreto e as casas de apoio do canteiro de obras já não existem mais janelas, portas e telhado. Nelas estão vivendo as vítimas da enchente do distrito de Igarapeba. Em março de 2015, apenas metade do custo do investimento necessário para a barragem foi repassado. Ainda faltam 63 milhões.
Reprodução/TV Jornal
Em Barra de Guabiraba, a barragem que leva o nome da cidade foi planejada para conter as cheias no Rio Sirinhaém e garantir o abastecimento das cidades de Barra de Guabiraba, Cortês, Ribeirão, Gameleira, Joaquim Nabuco e Sirinhaém. A capacidade está estimada em 19 milhões de metros cúbicos e o valor total da obra é de R$ 61 milhões. Porém, apenas 27,7% foram empregados e a única grande intervenção feita, a construção de um paredão de barro, foi destruído pela força da água na última chuva.
Na Barragem de Panelas II, a construção está cercada e vigiada por um segurança. A obra fica no município de Cupira e, quando pronta, deverá conter as enchentes nos rios Panelas, Pirangi e Una, beneficiando as cidades de Belém de Maria, Catende, Palmares e Cupira. O paredão de contenção foi construído, mas observando o local é notável que ainda há muito o que fazer.
Reprodução/TV Jornal
Em Lagoa dos Gatos, a “barragem de gatos” foi projetada para conter enchentes nos rios Gatos, Pirangi e Una. Com as chuvas, um paredão de barro que havia sido levantado se rompeu e provocou a morte de duas pessoas, além da destruição da cidade de Belém de Maria.
Todas as quatro barragens foram iniciadas entre 2011 e 2012 e deveriam ter sido finalizadas em 2013. O Governo alega problemas financeiros no processo, mas, em nota, o Ministério da Integração Nacional rebateu e disse que houve falha nos projetos de duas das cinco barragens, o que implicou na devolução do dinheiro para o Governo Federal.
Das obras previstas, apenas a barragem de Serro Azul, no município de Palmares, ficou pronta para a contenção do Rio Una. A construção foi feita também para proteger as cidades de Água Preta e Barreiros. Graças a conclusão da barragem, o impacto da chuva foi muito menor comparado ao de 2010.
Serro Azul é a quinta maior barragem de Pernambuco, tem capacidade para 303 milhões de metros cúbicos de água e área de 907 hectares. A ideia quando a obra foi feita, era que ela beneficiasse 150 mil moradores.

PORTAL BOM JARDIM
PORTAL BOM JARDIM

Nenhum comentário:

Postar um comentário