sábado, 24 de junho de 2017

Com espera de 10 horas, ação de Doria na Cracolândia tem desistência de internação

Cracolândia
CracolândiaFoto: AFP
São 20h, e nove pessoas estão sentadas em cadeiras de plástico, de braços cruzados, com fome e frio. Uma está de pé, andando de um lado para o outro, impaciente. Estão sob a tenda instalada pela gestão João Doria (PSDB), no centro de São Paulo, onde foram buscar internação voluntariamente. Duas delas chegaram às 10h. Desmotivadas, pensam em voltar para o "fluxo" de viciados da cracolândia.
Embora a prefeitura defenda até o recolhimento à força de usuários de drogas, a falta de estrutura e de acolhida imediata para quem quer de fato se internar chega a provocar desistências. Os usuários esperam até dez horas sem alimentação nesse espaço municipal, a poucos metros da cracolândia, uma tentação para eles.
Na noite desta quarta (21), o fluxo de usuários que estava na praça Princesa Isabel voltou para sua antiga região, agora ainda mais perto da tenda onde usuários buscam internação, um centro móvel de atenção psicossocial. Essa estrutura foi instalada pela prefeitura após a ação policial da gestão Geraldo Alckmin (PSDB), celebrada por Doria, um mês atrás.
Essa tenda faz parte do Redenção, proposta de Doria para solucionar o impasse da cracolândia. As diretrizes do programa, porém, ainda não foram publicadas.

No espaço de espera do Redenção, há cadeiras de plástico, e só. Psiquiatra e enfermeiros ficam em salas dentro de uma cabine. Depois de passar por uma primeira triagem, os usuários são atendidos pelo psiquiatra. Em seguida, enquanto os usuários esperam, funcionários buscam por vagas em hospitais psiquiátricos -processo de até uma hora.
O maior gargalo está no transporte de dependentes às clínicas. Mesmo quando são designados para as mesmas unidades, usuários são levados um por um, e não juntos, em ambulâncias do Samu.
Esses veículos atendem casos de emergência no resto da cidade e demoram a chegar. Na segunda (19), tardaram até duas horas entre um transporte e outro. À noite, funcionários quebram o protocolo e transportam quatro usuários de uma vez para que eles não passem a noite toda na tenda.
'demorou demais'

A prefeitura não oferece comida nem água para os usuários, e Raphael Rosa, 32, desde as 14h45 na tenda, está com fome. Sob protestos dos outros usuários, decide deixar o local às 19h para procurar comida na cracolândia.
"Não vai, cara, você não vai voltar", pede Carlos Eduardo Souza, 39, ali desde as 10h. Rosa foi e, "por sorte", diz, voltou sem ter consumido crack, a tempo de ser levado pelo Samu às 20h.
Uma família não teve a mesma sorte naquele dia. A aposentada Celina de Souza, 69, chorava contando sua história: "Cheguei às 9h para internar meu neto, de 21 anos, que tinha voltado para casa. Ele estava disposto. Mas tudo demorou demais. Às 14h30, ele disse que ia ligar para a irmã do orelhão e explicar minha demora para voltar para casa. Não voltou mais. Levou meu cartão do banco".
Para ela, se o serviço não tivesse demorado tanto, seu neto não teria mudado de ideia e teria sido internado. De manhã, quando vários usuários chegam, eles estão certos da internação. Dizem ter acordado com convicção, após terem refletido por algum tempo sobre a possibilidade. Abstinentes, começam a ter dúvidas se devem ficar.
Na quarta (21), a tenda foi desmontada porque, segundo funcionários da prefeitura, sua estrutura pertencia à Secretaria de Turismo e era emprestada. Enquanto era reerguida, usuários eram atendidos na estrutura da frente, onde funcionava o programa anticrack da gestão anterior.
Às 17h30, Adão Bueno, 35, mostra para a reportagem suas unhas, completamente roídas. "Cheguei às 10h30. Estava quase acabando com minhas mãos de ansiedade. Estou nervoso por causa da droga. Tive que pedir calmantes para o médico", lamenta. Foi levado para o hospital às 18h.
"É muita tentação. Olha onde estamos, do lado da cracolândia. A demora é péssima. E eu quero largar, já deu", diz Diego Bevilacqua, 30. "Um amigo veio comigo para ser internado. Chegamos às 10h. Às 16h, ele desistiu", relata.
A psiquiatra Carmen Santana, professora da Unifesp, observa que "a cidade já tem um déficit de ambulância" e que, portanto, recorrer ao Samu "mostra falta de planejamento".
 Para ela, não faz sentido que a prefeitura encare o usuário como alguém que pode esperar por dez horas, mas que precisa de um serviço de emergência como o Samu. Além disso, diz, o ideal é que os usuários esperem "o mínimo possível" na tenda.
Para a psiquiatra Ana Cecília Marques, coordenadora da comissão de drogas da Associação Brasileira de Psiquiatria, falta "retaguarda clínica", ou seja, uma estrutura que, por causa da demora, ao menos controle a síndrome de abstinência por qual passam os usuários de drogas -e todos, diz ela, passam em maior ou menor grau por esse estado de seis a oito horas após cessar o uso de drogas.
Para evitar complicações como crises hipertensivas, precisam de atenção de um médico clínico, macas, uma equipe de enfermagem e medicamentos para tratá-los.

Eber de Jesus, 24, estava desistindo quando foi abordado pela Folha. "Estou em abstinência, com fome e raiva. É indignante", dizia. Mudou de ideia e aguardou. Foi levado ao hospital às 18h30, após esperar o dia todo: "Quando cheguei, ainda estava claro".

FOLHA PE
PORTAL BOM JARDIM
PORTAL BOM JARDIM

Nenhum comentário:

Postar um comentário